[T&S] Res. Literária| Anna e o Beijo Francês

ANNA E O BEIJO FRANCÊS 

SINOPSE: Anna está ansiosa para começar seu último ano escolar em Atlanta, onde ela tem um ótimo trabalho, uma melhor amiga leal, e uma quedinha à beira de se tornar algo mais. É por isso que ela está menos do que excitada em ser enviada para um colégio interno em Paris — até que ela encontra Étienne St. Clair: perfeito, parisiense (e inglês, e americano, com um sotaque digno de desmaio) e completamente irresistível. O único problema é que ele não está livre, e Anna pode não estar também, se alguma coisa acontecer na sua quase-relação onde ela mora. Quando o inverno derreter na primavera, será que um ano quase romântico acabará com o esperado beijo francês que Anna — e os leitores — tem aguardado?

Vai um chick-litt aí? Haha. Suspiros. Não vejo outra maneira de começar essa resenha, falar de um livro tão doce, tão leve e ao mesmo tempo tão bom como Anna e o beijo francês é assim, é só o que nos causa, suspiros, suspiros e mais suspiros! O livro todo, haha.  Pode parecer bobo e pouca coisa, o título parece sugestivo ao enredo, mas não se deixe enganar. A história é bem mais que isso.

Anna Oliphant é uma estudante comum que ao contrário de todas as adolescentes que sonham em ir para fora só quer uma vida estável – ou o mais perto disso – e conseguir viver sua vida da maneira mais tranqüila. Mesmo frustrada por essa viajem ser mais um capricho de seu pai do que uma vontade sua ela segue rumo a Paris, a Cidade das Luzes.

Não poderia ser pior: sozinha, em Paris, sem falar francês, extremamente chateada com a situação e em um internato por um ano inteiro. Tudo vai de mal a pior até que Anna conhece Meredith e assim faz novos e bons amigos, um em especial: St. Clair ou Étienne. O típico parisiense boa pinta e hospitaleiro a qual Anna tenta ao máximo evitar, afinal, ele e sua namorada podem estar com problemas, mas não era de seu feitio agir assim.

A história é meiga e bastante leve, prende o leitor ver como o amor pode surgir das maneiras mais simples e nos momentos mais inesperados, sem monstros, coisas sobrenaturais, ou catástrofes. Amor adolescente e sincero, com empecilhos reais, comuns, que podem estar acontecendo agora mesmo enquanto você lê essa resenha. Pode até parecer clichê para muitos, mas estamos na época em que o clichê se tornou novidade diante de tantas peculiaridades que lemos por aí.

Stephanie Perkins se consagra mais uma vez como uma das melhores escritoras do gênero (amo a Simone Elkeles, sorry) nos contando uma história que nos rouba sorrisos, risos, sustos, pesares e se a pessoa for como eu até algumas lágrimas. Nota 1000 para esse livro.

Resenha escrita por
Letícia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s